Menu
Adolescente é suspeito de furtar R$ 12 mil do próprio avô em Divinópolis

Adolescente é suspeito de furtar R$…

A Polícia Civil (PC) investiga ...

Resultado do Enem 2017 será divulgado na manhã desta quinta

Resultado do Enem 2017 será divulga…

Os candidatos que fizeram a ediç...

Wesley Safadão e mais quatro atrações se apresentam em Divinópolis

Wesley Safadão e mais quatro atraçõ…

Vem ai mais uma parceria organizada po...

Dois homens são presos por comprar drogas em Divinópolis para revender em Marilândia

Dois homens são presos por comprar …

A Polícia Militar foi acionada ...

O caso da passagem aérea falsa da blogueira Gabriela Pugliesi

O caso da passagem aérea falsa da b…

Um dos assuntos mais comentado nas red...

Vale-transporte em Divinópolis sobe para R$ 4,05

Vale-transporte em Divinópolis sobe…

O vale-transporte terá um reaju...

Uma mulher, dois homens: casal conta como o swing mudou suas vidas

Uma mulher, dois homens: casal cont…

Sarah, 35, e Mauro, 45, são cas...

Trio rouba caminhão com carga avaliada em R$ 200 mil em Divinópolis

Trio rouba caminhão com carga avali…

  Três pessoas foram presas ...

Homem é preso com tabletes de maconha em Divinópolis

Homem é preso com tabletes de macon…

Foi preso na madrugada desse sá...

Vestibular da UEMG será amanhã

Vestibular da UEMG será amanhã

Será realizado neste domingo, 7...

Prev Next
TwitterFacebookPinterestGoogle+

Banner Zeos Travelling

luisa valencicCabelos brancos, 87 anos e um diploma recém-conquistado nas mãos. Essa é Luísa Valencic Ficara, imigrante italiana que na semana passada se formou, oficialmente, em nutrição pelo Centro Universitário Padre Anchieta, em Jundiaí, interior de São Paulo.

Em entrevista ao G1, ela contou que resolveu se matricular no curso para "ocupar a cabeça" depois da morte do marido e da irmã.

"Não adianta ficar em casa que começam as dores. Dores crônicas, dores de saudade. Ter a casa vazia traz tudo isso", disse.

Banner promoção de viagensDe acordo com a universidade, a proposta do trabalho de conclusão de curso de Luísa era construir um memorial da vida dela. Porém, por motivos particulares, ela selecionou um livro sobre a história da cana-de-açúcar e não focou a pesquisa na própria vida.

Ainda assim, o trabalho, que compilou as principais características da produção e consumo de açúcar, foi elaborado a partir de leituras e resenhas mescladas com relatos de histórias que ela viveu.

A orientadora do projeto, Valéria Campos, disse que foi "inevitável" filtrar a parcialidade dos textos dela e transformá-lo em acadêmico e científico. "Os escritos de dona Luísa foram nos conquistando", disse.

Todo o trabalho foi escrito por Luísa à mão. Colegas de sala e funcionários da instituição ficaram responsáveis pela digitação, configuração e impressão.

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS