Menu
Cruzeiro cria pouco, perde para o Flamengo e cai para 6º lugar no Campeonato Brasileiro

Cruzeiro cria pouco, perde para o F…

O Cruzeiro criou pouquíssimas opo...

CPI da Copasa investigará denúncias contra o ex-prefeito de Divinópolis Vladimir Azevedo

CPI da Copasa investigará denúncias…

A Comissão Parlamentar de Inqu&ea...

DL lança aplicativo com promoções e descontos em lojas de Divinópolis

DL lança aplicativo com promoções e…

A Câmara de Dirigentes Lojistas (C...

Fruta na Rua: como encontrar árvores frutíferas em plena BH

Fruta na Rua: como encontrar árvore…

Em plena Avenida do Contorno, uma das vi...

Viajar garante mais felicidade do que comprar coisas ou casar

Viajar garante mais felicidade do q…

O que te faz feliz? A pergunta que norte...

Por que milhares de pessoas caem em golpes vindos do WhatsApp? Existe uma forma de proteger automaticamente nossos smartphones?

Por que milhares de pessoas caem em…

Especialistas dizem que o WhatsApp, o me...

A maior ameaça aos direitos humanos, no Brasil, é a liberdade de bandidos

A maior ameaça aos direitos humanos…

A maior ameaça aos direitos human...

Saiba como evitar o incômodo zumbido dos pernilongos

Saiba como evitar o incômodo zumbid…

A chegada do calor traz junto um visitan...

Lavar o arroz antes de cozinhar pode te salvar do câncer

Lavar o arroz antes de cozinhar pod…

Ir à cozinha preparar um arroz po...

Prev Next
TwitterFacebookPinterestGoogle+

Ministra Carmem LuciaA presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou nesta sábado que o brasileiro não dormiria, se conhecesse tudo o que ela sabe. A declaração foi dada pela ministra ao comentar a situação dos presídios brasileiros, segundo ela, totalmente dominados organizações criminosas.

— Hoje temos as questões gravíssimas de organizações criminosas dominando em todos os estados do Brasil. Por isso eu digo que não é cômodo nem confortável nenhuma poltrona na qual eu me assente, por uma singela circunstância: eu sou uma das pessoas que mais tendo informações não tenho a menor capacidade de ter sono no Brasil — disse a ministra, durante participação no Festival Piauí Globonews de Jornalismo, realizado em São Paulo:

— Se o brasileiro soubesse tudo o que sei, tendo visitado 15 penitenciárias masculinas e femininas, seria muito dífícil dormir — completou.

Cármen Lúcia ainda rebateu os críticos e os desafiou a assumir o seu lugar e fazer o que faz. Para ilustrar o momento atual do Brasil, a ministra citou um trecho do poema “Nosso Tempo”, do mineiro Carlos Drummond de Andrade: “Os homens pedem carne. Fogo. Sapatos/ As leis não bastam/ Os lírios não nascem da lei/ Meu nome é tumulto, e escreve-se na pedra.”

— Vivemos tempos de muito tumulto. Para mim, infelizmente, eu estou na presidência do Supremo e o Brasil quer uma solução para um mundo de tumulto — disse Cármen, negando que se tratasse de um "relclamação."

DELAÇÃO COMO 'INSTRUMENTO NECESSÁRIO'

Na conversa com a jornalista Consuelo Dieguez e diante de uma plateia, a presidente do STF evitou se aprofundar em temas polêmicos. Sobre a deleção dos irmãos Joesley e Wesley Batista, da JBS, disse apenas que o Supremo ainda vai avaliar se houve ou não manipulação para a produção de provas. Entretanto, ela ressalvou que o ex-procurador-geral da república, Rodrigo Janot, responsável por conduzir os acordos da colaboração dos empresários, é “experiente e muito prepardo.”

— A colaboração premiada tem sido um instrumento necessário para chegar ao fatos para que a corrupção não prevaleça. Eventuais excessos serão corrigidos. Nenhuma investigação ou acusação para caso o procedimento não tenha sido perfeitamente aplicado — observou a ministra, que criticou o “vazamento seletivo” das delações:

— O vazamento é um erro.

468x60 Menina Aviadora

A presidente do Supremo ainda fez uma forte defesa da democria e disse não acreditar no risco de uma intervenção militar. Em setembro, o general do Exército Antonio Hamilton Mourão indicou que a tomada do poder pelos militares era uma saída para o país, caso o Judiiciário não soluciasse o problema político. A ministra classificou com um desserviço "qualquer fala de qualquer pessoas que seja contra a Constituição."

Provocada a dar opinião sobre as declarações do ministro Gilmar Mendes e os embates com os ministros do STF, Cármem Lúcia se esquivou dizendo que Mendes tem toda uma "peculiaridade" de se manifestar.

— Não pode um ministro calar o outro. Aliás, acho que ninguém pode calar ninguém.

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS